Rádio

Paz no Vale FM

Privatização da Eletrobras vai baratear conta de luz, diz ministro

22 AGO 2017
22 de Agosto de 2017
Fernando Coelho Filho acredita que, nas mãos do setor privado, a empresa ficará mais eficiente e competitiva.

Por Simone Kafruni

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse nesta terça-feira, 22, que a privatização da Eletrobras permitirá redução nas contas de luz para as empresas e as famílias. Ele acredita que, nas mãos do setor privado, a empresa ficará mais eficiente e competitiva. “A Eletrobras será muito mais moderna e ágil em um cenário mais competitivo”, afirmou.

Segundo Coelho Filho, a decisão de privatizar a estatal do setor elétrico é “mais que uma decisão arrecadatória”. Pelos cálculos dele, a empresa vale, atualmente, R$ 20 bilhões. O governo está desesperado por receitas, a fim que cumprir a meta fiscal, de deficit de até R$ 159 bilhões.

 

A proposta de venda da Eletrobras será submetida ao conselho da estatal nesta quarta-feira, 23. Ele acredita que o processo de privatização será aprovado e seguirá o modelo vitorioso de Vale e Embraer. “A privatização terá muita importância para o setor elétrico e de infraestrutura”, afirmou o ministro, destacando que o mercado reagiu bem à notícia. As ações preferenciais (PNB) abriram o dia em alta de 19,24% e as ordinárias (ON), de 31,83%.

 

Usina de Itaipu

 

Para o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, os processos de reestruturação da empresa não mudarão em função da intenção do governo em desestatizar a empresa. Ele destacou que todo o calendário de ajustes na empresa com o intuito de fazer com que ela volte a registrar lucros continuará normalmente.

 

“O plano permitirá a empresa participar mais ativamente do processo de descotização das usinas hidrelétricas. No momento, a Eletrobras não teria condições financeiras de participar do processo, mas, com a desestatização, iremos participar”, frisou o executivo. O ministro de Minas e Energia acrescentou que, nas mãos do setor privado, a empresa deixará de ser um cabide de empregos, pois o governo, ao deixar de ser controlador, perderá o direito a indicações para cargos. “O processo é semelhante ao que aconteceu com outras empresas, como a Vale”, assinalou.

 

Segundo o ministro, a intenção do governo é concluir o processo de privatização da Eletrobras até o fim do primeiro semestre de 2018. “A eleição se dará normalmente no segundo semestre, e esperamos concluir o processo até a metade do ano”, disse, reforçando que a expectativa é de que a conta de luz fique mais barata. A redução nas tarifas, acrescentou, decorrerá do aumento da eficiência e da consequente redução de seus custos da estatal.

 

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, afirmou que o projeto nuclear e a Usina de Itaipu terão tratamento diferenciado dentro do processo de privatização da Eletrobras. “Se for entendido que o projeto nuclear não pode ser privatizado, bem como Itaipu, esses projetos serão segregados dentro do processo”, explicou. Ainda haverá debates dentro do governo sobre esses temas. Fonte: (http://www.em.com.br/app/noticia/economia).



Voltar